O fracasso da Educação! - Jornal de Colombo

O fracasso da Educação!

O fracasso da Educação!

O senso comum indica que a nossa educação já fracassou faz tempo. Os índices atingidos nas últimas décadas de acordo com Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) certamente não foram os melhores, nem estimulantes. Juntamente com o Ministério de Educação, a UNESCO busca desenvolver medidas capazes de dar

O senso comum indica que a nossa educação já fracassou faz tempo. Os índices atingidos nas últimas décadas de acordo com Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) certamente não foram os melhores, nem estimulantes.

Juntamente com o Ministério de Educação, a UNESCO busca desenvolver medidas capazes de dar mais qualidade a educação por meio da inclusão e equidade, mas estamos falando do Brasil, aqui as coisas são diferentes.

Inevitavelmente as medidas adotadas mesmo que bem-intencionadas, esbarram em problemas crônicos e que estão longe de serem solucionados. O desinteresse dos alunos e a evasão escolar cresceram muito na pandemia do novo coronavírus. Tal fato, parece colocar uma pá de cal no já combalido ensino brasileiro.

Segundo dados do Ministério da Educação (MEC) do Brasil (2017), quando do acompanhamento de 16,7 milhões de crianças e adolescentes, o desinteresse apareceu nas primeiras posições quando se trata da frequência escolar. As metodologias dos professores em sala de aula, a falta de recursos das famílias, o ambiente escolar desestimulante, a falta de alimentação adequada, as características individuais, a baixa participação dos pais no acompanhamento dos filhos, são alguns dos elementos que compõem o desinteresse dos estudantes na perspectiva de diferentes pesquisadores.

O debate parece ir além dos aspectos cognitivos e psicológicos e das metodologias adotadas em sala de aula. Às vezes me pergunto porque ainda acredito em uma virada de mesa, mas lembro-me imediatamente que a sociedade é a principal culpada. Não valoriza o estudo e a educação nem quem estuda, elege políticos sem formação adequada e as mínimas condições de elaborar ou alterar projetos, se omite nos casos de corrupção e desvio de condutas dos representantes legais, se cala diante da má administração dos recursos para a educação, dá voz e vez a pessoas despreparadas para conduzir o destino dos seus filhos e, quando prestigia mais uma figura pública do que o professor.

Como professor creio na transformação do ser humano, e a esperança é sempre a última que morre, nesse caso, temos fé que as coisas irão melhorar. A Educação ainda tem chance… Não desista, façamos nós a nossa parte!

O professor Renato da Costa também é membro da ACCUR-Academia de Cultura de Curitiba, membro da Academia Paranaense de Poesia, professor em nível de Graduação e Pós-graduação, presencial e EAD e autor e coautor de vários livros.

Posts