Sanepar suspende rodízio de água na Região Metropolitana de Curitiba - Jornal de Colombo

Sanepar suspende rodízio de água na Região Metropolitana de Curitiba

Sanepar suspende rodízio de água na Região Metropolitana de Curitiba
Apesar da normalização do abastecimento na RMC, parte de Colombo ainda permanecerá com o rodízio.(José Fernando Ogura/AEN)

Ainda assim parte do município de Colombo segue com o rodízio. Entenda!

Na manhã de quarta-feira, 19, o governador Carlos Massa Ratinho Junior e o diretor-presidente da Sanepar, Claudio Stabile, anunciaram a suspensão do rodízio de água em Curitiba e Região Metropolitana. Segundo as autoridades, os reservatórios que compõem o Sistema de Abastecimento Integrado (SAIC) atingiram nível médio de 80,34% da capacidade com as chuvas de janeiro, antecipando a programação do fim do rodízio, previsto para março. A normalização do abastecimento deve ocorrer a partir das 16 horas de sexta-feira (21).

Eles também anunciaram que não haverá novo rodízio no abastecimento em 2022, mesmo no pior cenário de estiagem. Com as obras realizadas nos últimos dois anos e a conscientização do uso racional por parte da população, os reservatórios têm capacidade de atendimento de 12 a 16 meses. Ainda assim, o Estado permanece sob alerta de emergência hídrica porque enfrenta a seca mais severa dos últimos 91 anos.

Foram 649 dias de rodízio, implementado em março de 2020. Nesse período, o rodízio e todas as medidas implementadas junto à população geraram economia de 89,8 bilhões de litros de água. De agosto de 2020 a dezembro de 2021, dentro da Meta20, houve economia média de 17,17%.

“É um dia importante: depois de dois anos de rodízio, conseguimos cumprir a meta de chegar a 80% dos reservatórios para finalizar o rodízio em Curitiba e na Região Metropolitana. E não foi só a chuva que fez com que alcançássemos esse patamar. Nesses dois anos de calamidade hídrica, tivemos muito trabalho de uma equipe de colaboradores da Sanepar; obras antecipadas, como a transposição do Rio Capivari; e ajuda da população”, disse o governador. “Mesmo sem chuva constante, não teremos rodízio nos próximos 12 meses”.

Segundo o diretor-presidente da Sanepar, sem as ações implementadas ao longo dos últimos dois anos, principalmente o rodízio, o sistema teria entrado em colapso em outubro/novembro de 2020, quando as barragens teriam atingido níveis entre 12,7% e 13,1%, o que praticamente inviabilizaria o fornecimento de água. O cenário se repetiria a partir de julho/agosto de 2021, quando os níveis chegariam a 11%, baixando até 4,5% em outubro de 2021.

Nesse período de rodízio preventivo, para manter o abastecimento, a Sanepar executou uma série de obras, além da semeadura de nuvens para induzir chuvas na cabeceira dos rios.

O órgão pretende ainda entregar em 2022 as obras da Barragem do Miringuava. Com investimentos de R$ 160 milhões, a barragem vai incrementar 38 bilhões de litros de água nas reservas do Sistema de Abastecimento Integrado de Curitiba. “É um reservatório com capacidade para atender 600 mil pessoas por dia. Todas essas obras foram feitas em cima de um planejamento importantíssimo da Sanepar. Estamos cuidando do futuro do Paraná”, disse Ratinho Junior.

Contudo, parte de Colombo ainda permanecerá com o revezamento, mas apenas na região abastecida por poços, o que corresponde a 16% do município. Neste caso, o rodízio está estabelecido para a Região Central, que abrange os bairros Butiatumirim, Fervida, São João, Santa Gema, Cercadinho, Serrinha, Itajacuru, Parque Embu, Arruda, Santa Tereza, Centro, Jardim Florença, Gabirobal, Uvaranal, Sapopema, Curitibano, Santa Fé, São Gabriel, Ana Rosa e Roça Grande.

Leia: Falta de energia elétrica afeta produção de poços e abastecimento de água em Colombo

Posts