Durante o evento “Saúde em frente”, que reuniu os diretores das 22 Regionais de Saúde e equipes técnicas, além de gestores e representantes municipais, o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, anunciou o investimento de R$ 50 milhões por parte do Governo do Estado para o ano de 2022, voltados à retomada das cirurgias eletivas no Paraná.

O valor é quatro vezes maior do que o repasse do Ministério da Saúde em 2019, que foi de R$ 12 milhões para este segmento. A SESA aguarda ainda a confirmação do valor que será enviado pelo governo federal para o próximo ano. “Queremos dar visibilidade para aquilo que inevitavelmente precisou ficar em segundo plano neste um ano e meio de pandemia”, disse o secretário. “Estamos pensando no futuro, nesta retomada de ações direcionadas no âmbito da Saúde, para que todos os paranaenses possam ser atendidos da melhor maneira possível”, acrescentou.

Além do anuncio do aporte financeiro, o evento promovido pela SESA serviu para alinhar as expectativas em todas as áreas da pasta, além de traçar os novos desafios da saúde pública no Paraná. O vice-governador Darci Piana esteve presente e elogiou o trabalho da secretaria. “A Secretaria tem desenvolvido um trabalho sério e responsável, e graças a isso conseguimos superar os desafios causados pela pandemia”, afirmou.

Ações

Durante o evento, as principais áreas da SESA apresentaram as propostas de ações voltadas para o pós-pandemia, dentre elas no setor de obras, com um total de 645 projetos, sendo 495 obras em execução e 150 concluídas. O valor do investimento chega a cerca de R$ 434 milhões para obras de construção, reforma, ampliação em unidades básicas de saúde, hospitais filantrópicos, hospitais próprios do Estado, além da parceria com os consórcios.

Também foram abordadas as ações voltadas para a saúde mental, o olhar assistencial para a saúde do idoso e a expansão do Projeto PlanificaSUS para as 22 Regionais de Saúde, além do fortalecimento da Atenção Primária e da retomada do Planejamento Regional Integrado (PRI), com a política de descentralização de serviços de saúde.