O governador Ratinho Junior, acompanhado do secretário de Estado da Saúde, se reuniu com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em Brasília, na tarde desta terça-feira, 6.

Entre os principais pontos da pauta do encontro estavam o envio de mais vacinas para recompor a quantidade de imunizantes suficientes para os grupos prioritários e a aceleração na entrega das doses ao Estado do Paraná. “Tivemos uma boa conversa com o ministro, que nos confirmou a chegada de novas doses entre quinta ou sexta-feira e uma previsão de mais de 30 milhões de doses para o Brasil em abril, garantindo assim a primeira dose a mais grupos e as segundas doses de quem já foi imunizado”, disse o governador. No total, o Paraná já recebeu 11 lotes de vacinas do Ministério da Saúde, totalizando 2.253.300 unidades, e imunizou mais de 1,2 milhão de pessoas.

Outra demanda levada ao conhecimento do ministro foi a questão da distribuição de medicamentos do chamado kit intubação. A Secretaria de Estado da Saúde enviou uma remessa de cerca de 260 mil unidades aos 60 hospitais que integram a estratégia de enfrentamento da pandemia nos últimos dez dias, com a maior parte do material tendo sido adquirida pelo Estado, mas ainda há a necessidade de mais medicamentos. “As nossas demandas da Saúde serão repassadas para as áreas técnicas do Ministério, que sinalizou em breve uma ajuda com mais medicação. Saímos otimistas desta reunião”, afirmou Beto Preto. O envio de mais 110 respiradores e 110 monitores também integrou a pauta paranaense.

Por fim, o governador sugeriu a reedição dos efeitos da lei que flexibiliza a manutenção e o custeio de hospitais e a compra de insumos para as unidades com leitos de UTI e enfermaria sob gestão do Governo. A lei foi sancionada em fevereiro do ano passado, mas o texto previa que as contratações emergenciais fossem válidas temporariamente, até dezembro de 2020. O governador Ratinho Junior defende que haja uma reedição para que a dispensa de licitação seja válida pelo menos para a compra de equipamentos e insumos e para a contratação de prestadores de serviços da área da saúde. “Sugerimos a reedição da lei. A pandemia entrou com força em 2021. É muito importante para vários estados e municípios”, disse o governador. “A lei desburocratiza o processo. Na lei das licitações levamos muito tempo. A ideia é encurtar e dar velocidade para as secretarias estaduais”, completou.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.