O Governo do Estado solicitou na última semana o envio de doses extras de vacina contra a febre amarela, fornecida pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote conta com 60 mil doses e será distribuído pelos municípios paranaenses. O objetivo da medida é atender ao aumento na procura pela vacina ofertada na rede pública.
Além das vacinas, o Secretário Estadual da Saúde, Michele Caputo Neto, também determinou o reforço nas ações contra a doença em todo o Paraná. A medida emergencial foi tomada após a suspeita de um início de surto de febre amarela nas áreas rurais de algumas cidades brasileiras, como Minas Gerais, Espírito Santo e São Paulo. Desde o início de 2017, 421 casos foram notificados como suspeitos nestas regiões, com 40 mortes confirmadas.
“O momento é de alerta, mas a situação está sob controle. Até agora, não há relatos de casos suspeitos no Paraná. É de suma importância imunizar moradores e pessoas que irão viajar para áreas de risco. Desta forma, podemos nos proteger e evitar a reintrodução da febre amarela no Estado”, disse o Secretário.
Caputo Neto ressaltou também que os casos registrados em Minas Gerais e nos demais estados ficaram restritos as áreas rurais. Desde 1942, não há registros de febre amarela nas áreas urbanas do país. “O cuidado deve ser redobrado para aquelas pessoas que vivem ou circulam em localidades próximas a rios e mata. A orientação é que elas se imunizem pelo menos 10 dias antes da viagem”, explicou.

Disponível
As 60 mil doses da vacina já estão disponíveis nas unidades de saúde do Estado e fazem parte do calendário básico das crianças em todo o Paraná. A primeira dose deve ser aplicado aos nove meses de idade e a segunda, chama de reforço, aos 4 anos. Apesar das recomendações, a vacina pode ser tomada em qualquer momento até os 60 anos. Após essa faixa etária, apenas com indicação médica.
De acordo com a superintendente de Vigilância em Saúde, Cleide de Oliveira, historicamente o Paraná vem tendo sucesso no combate contra a febre amarela. “Atingimos sempre algo em torno de 70% a 80% do público-alvo do Estado. Isso faz com que uma grande parcela de paranaenses já esteja imune a esta grave doença”, afirmou.

A Secretaria de Estado da Saúde conta atualmente com um estoque estratégico de 145 mil vacinas. O volume não leva em conta as doses já disponíveis nas unidades de saúde e estoques dos municípios. “Em nenhum momento tivemos problemas de falta de vacina. Contudo, já esperando um aumento na demanda, solicitamos ao Ministério da Saúde mais 190 mil doses para suprir a necessidade do Estado”, explicou Cleide.