Curitiba terá novo parque para estudos de fósseis pré-históricos

Curitiba vai contar com uma reserva de interesse geológico e paleontológico de relevância científica em uma área de 16 hectares, pertencente à Curitiba S.A, situada às margens da BR-277, próxima do Contorno Sul, na CIC.

A proposta da criação do geossítio, uma Área de Relevante Interesse Ecológico (Arie), classificada no Sistema Nacional de Conservação, foi discutida na última quinta-feira (08) pelo prefeito Rafael Greca e uma equipe de especialistas coordenada pelos professores Fernando Sedor, paleontólogo e coordenador científico do Museu de Ciências Naturais da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e Luiz Alberto Fernandes, coordenador do Programa de Pós-Graduação em Geologia da Universidade Federal do Paraná (UFPR). O encontro foi no Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano (Ippuc).

No terreno na região Sul da cidade está o último remanescente da chamada Formação Guabirotuba, onde recentemente foram encontrados fósseis de vertebrados e invertebrados que permitem o estudo da evolução da fauna da América do Sul. “Curitiba agora tem uma história muito mais antiga do que os seus pouco mais de 300 anos que conhecemos. É a cidade antes da história que vai começar a ser revelada com todo apoio da Prefeitura”, afirmou Greca.

Entre os fósseis estão os de ancestrais de tatus e preguiças e uma nova espécie (Proecoleophorus Carlinii) cuja idade data do período Eoceno, a segunda época da era Cenozoica, compreendido entre 55 milhões de anos e 36 milhões de anos.

A Prefeitura irá avaliar a cessão do terreno pela Curitiba S.A. para a implantação do Geossítio estruturado como um parque e uma área de fomento à pesquisa e a atividades educacionais. O projeto será detalhado pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente. “Vamos fazer também uma estação do programa educacional Linha do Conhecimento para que nossas crianças sejam incentivadas à pesquisa”, concluiu prefeito.

FOTO – CESAR BRUSTOLIN/SMCS

error: Content is protected !!