Queda das temperaturas exige mais atenção com aquecedores a gás

Com a queda das temperaturas, o cuidado com os equipamentos a gás, principalmente os aquecedores de água, deve ser redobrado. A tendência de manter os espaços sem ventilação ou pouco arejados propicia o surgimento do monóxido de carbono, um gás inflamável e tóxico que quando inalado pode causar envenenamento. Por não ter cor e nem cheiro esse gás é de difícil percepção.

A orientação da Companhia Paranaense de Gás (Compagas) é que a manutenção dos equipamentos ocorra a cada seis ou oito meses, e algumas normas devem ser seguidas na instalação dos aparelhos.

De acordo com o gerente de Serviços ao Cliente da Compagas, Hamilton Azevedo, é preciso promover o consumo consciente e seguro dos aquecedores a gás. “Para evitar acidentes, os equipamentos a gás devem ser mantidos em bom estado de conservação, estar sempre com a manutenção em dia e instalados em locais com ventilação adequada. Essas indicações valem para o ano todo, mas no inverno, quando a tendência é manter portas e janelas fechadas, o cuidado deve ser ainda maior”, orienta.

O Corpo de Bombeiros do Paraná também alerta que a manutenção constante de equipamentos a gás é a melhor maneira de evitar acidentes com o monóxido de carbono. Entre os itens que precisam ser verificados estão as instalações dos dutos da chaminé, que podem sofrer desgaste com o acúmulo de vapor de água; a pressão; os bicos de entrada do gás e da água e os queimadores.

As principais causas de acidentes com monóxido de carbono, também de acordo com o Corpo de Bombeiros, são a falta de ventilação e a má instalação dos aparelhos a gás – principalmente aquecedores de água – como deficiência da chaminé e local inapropriado. O mais indicado é que aquecedores de água a gás sejam instalados na área de serviço, já que costuma ser o ambiente mais arejado da casa.

Foto – Divulgação

error: Content is protected !!