Atletas e dirigentes destacam o apoio da prefeitura a 394 projetos esportivos

Viabilizar o desenvolvimento de trabalhos focados na iniciação esportiva, promover melhores condições de treinamento e contribuir para que atletas alcancem objetivos e sonhos. Com este propósito, a Lei Municipal de Incentivo ao Esporte faz a distribuição de R$ 3,3 milhões entre os 394 projetos esportivos aprovados em 2017.

“A lei busca permitir o aprimoramento e desenvolvimento de atletas de alto rendimento, bem como contribuir para a realização de projetos que revelem novos talentos e fomentar a prática esportiva de participação no município”, disse o secretário municipal do Esporte, Lazer e Juventude, Marcello Richa.   

Neste ano a Lei Municipal de Incentivo ao Esporte contemplou projetos em 46 modalidades, sendo 206 trabalhos de atletas de categorias olímpicas e 26 de não olímpicas. Os resultados já começaram a aparecer e mostram o potencial dos atletas curitibanos.

PROJETOS
Além de beneficiar atletas de alto rendimento de diferentes modalidades, a lei também contribui para o trabalho de federações, equipes e entidades.

“Dispomos de recursos, através da Lei de Incentivo, para arcar com diversos custos, que geram economia para investir em técnicos especializados e preparador físico, que fazem a diferença nos treinos e na formação de jovens atletas”, afirmou a coordenadora do Curitiba Rugby Clube, Wanderleia Jentzsch.

A opinião é compartilhada pelo presidente da Federação Paranaense de Badminton, Vlademir Rodrigues da Silva, que destacou também o fortalecimento de esportes com menor exposição, que apresentam mais dificuldade de divulgação e patrocínio. “A Lei de Incentivo é um divisor de águas em Curitiba e seu fortalecimento permite que cada vez mais pessoas pratiquem esporte de diferentes modalidades.”

LEI DE INCENTIVO
Coordenada pela Secretaria Municipal do Esporte, Lazer e Juventude (Smelj), a Lei Municipal de Incentivo ao Esporte capta recursos do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), que são investidos em atletas, instituições sociais e projetos na área do esporte.

Para ser beneficiário, o atleta deve ter residência fixa há mais de um ano em Curitiba e montar um projeto que explique a razão da solicitação, as metas que pretende alcançar e os custos. Em contrapartida, o atleta incentivado precisa fazer prestação de contas e participar de ações que visem à promoção social no município.

Projetos de iniciação esportiva apresentados por entidades, escolas municipais e projetos de educação ligados ao esporte também podem receber o benefício. O próximo período de inscrições ocorrerá no final do ano.

FOTO – Guilherme Dalla Barba/SMELJ

error: Content is protected !!