Bienal de Curitiba apresenta Semana de Performances

Entre os dias 30 de janeiro e 3 de fevereiro de 2018, Curitiba recebe a Semana de Performances da Bienal Internacional de Arte Contemporânea Curitiba. A programação integra a agenda da Bienal de Curitiba, que se encerra no dia 25 de fevereiro deste ano. Serão um total de nove artistas apresentando suas performances em espaços públicos e movimentados do centro da cidade, como a Praça Santos Andrade, a Praça Tiradentes, o calçadão da Rua XV de novembro, a Biblioteca Pública do Paraná e a Praça Zacarias.

Todas as apresentações serão gratuitas e estão sob curadoria do artista de performance e curador Fernando Ribeiro. Com uma história de 15 anos de performances em desenvolvimento, Ribeiro é conhecido por ser dos principais promotores deste tipo de trabalho no país. Participou da exposição Terra Comunal – Marina Abramovic + MAI, e com curadoria da consagrada artista Marina Abramovic (Sérvia), onde apresentou a performance “O Datilógrafo” durante os dois meses de exposição, além de integrar diversos outros projetos de curadoria e de performances. Na Bienal de Curitiba, participou como curador nos anos de 2013, 2015 e 2017.

Entre os artistas integrantes da Semana de Performance da Bienal estão nomes como o mexicano Roberto de la Torre, a venezuelana residente em Buenos Aires Aidana Maria Rico Chavez, as brasileirasLuana Navarro, Érica Stórer, Mônica Schreiber, Letícia Sequinel e Yasmin Kozak,e Florence Jung, artista francesa residente na Suíça.

Além das performances, a semana ainda conta com uma palestra especial do artista mexicano Roberto de la Torre. A palestra terá tradução simultânea para o português e acontecerá no dia 30 de janeiro, às 19 horas, no Campus DeArtes da UFPR. A entrada é gratuita e o acesso do público geral é liberado, sem necessidade de inscrição prévia.

Sobre os Artistas

Aidana Maria Rico Chavez: nasceu Caracas (Venezuela) em 1976 e vive em Buenos Aires (Argentina). Foi professora do workshop de Performance Complementar na Universidade Experimental de Artes (UNEARTE Artes Plásticas) de Caracas. Juntamente com Ignácio Pérez e AmiraTremond, ele fundou PERFORMANCELOGÍA, organização dedicada ao Arquivo e Difusão de Performance Art.

Érica Stórer: nascida em Curitiba,tem como pesquisa a relação entre o corpo e a produção. Suas recentes performances exploram o corpo alienado, que colocado em condição de paralisação permanece até o limite da exaustão. Em 2016, foi contemplada pela bolsa Erasmus + (Brasil – Croácia).

Florence Jung: Florence Jung nasceu na França em 1988 e vive atualmente na Suíça.A artista cria situações que se infiltram na realidade.

Letícia Sequinel: é fotógrafa e participou da mostra coletiva “Estado de Emergência” do Circuito da Bienal Internacional de Curitiba em 2015. Também realizou um workshop com o artista performer Marcio Carvalho, e desde então, pesquisa a performance como expressão artística aliada às mídias.

Luana Navarro: artista nascida em Maringá, transita por diversas linguagens. Desenvolve trabalhos com fotografia, vídeo, textos, publicações e performances. É uma das artistas gestoras da Alfaiataria, espaço de/para ações artísticas em Curitiba. Participou de exposições no Brasil, Espanha e México.

Mônica Schreiber: é bailarina profissional, através da performance busca conectar seu corpo com as possibilidades das artes visuais e experiências com a dança moderna.

Roberto de la Torre: mexicano nascido em 1967, seu trabalho é frequentemente relacionado e produzido no espaço público, usando elementos temporários em que não apenas os traços visíveis de objetos intervêm, mas envolvem objetos e seus efeitos e possíveis relações. Participou de vários festivais de arte, tanto no país como no exterior, e seu trabalho foi apresentado com sucesso em 17 países.

Yasmin Kozac: formada em Bacharelado em Artes Visuais, pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), e graduanda em Artes Visuais – Licenciatura, pela UFPR. Realiza projetos que buscam trabalhar as relações humanas a partir de questões que envolvem o sujeito, como memória e afetividade, questões essas que unem indivíduos, ao mesmo tempo que tratam de suas singularidades.

Sobre a Bienal de Curitiba
A Bienal Internacional de Arte Contemporânea de Curitiba ocorre há 25 anos na cidade de Curitiba e é reconhecida como o maior evento de arte contemporânea da América do Sul e um dos principais eventos de arte do circuito mundial. A edição atual conta com a participação de 435 artistas de 43 países dos cinco continentes, sendo a China o país homenageado. A edição de 2015 recebeu um público de aproximadamente um milhão de visitantes, ocupando mais de cem espaços pela cidade.

A Bienal de Curitiba é uma realização do Ministério da Cultura do Governo Federal, Secretaria de Estado da Cultura do Paraná e Fundação Cultural de Curitiba/Prefeitura Municipal de Curitiba. Patrocínio: Copel, Fomento Paraná, Sanepar, Elejor, Huawei, Horizons, Eletrobras Furnas, Velsis, Rumo, Itaipu.

Fotos – Divulgação

error: Content is protected !!